Brumadinho: ONGs criam gabinete de crise

Organizações da sociedade civil vão monitorar ações sobre o rompimento de barragem.

Por G1 Minas — Belo Horizonte

14/02/2019 08h19  Atualizado há 5 horas


Brumadinho: ONGs criam gabinete de crise
Brumadinho: ONGs criam gabinete de crise

Com a criação de um “Gabinete de Crise da Sociedade Civil”, organizações da sociedade civil vão monitorar a situação dos atingidos pelo rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho,

Composto por ONGs de defesa ambiental e ativistas de direitos humanos, o gabinete vai acompanhar as ações relacionadas ao rompimento da barragem de rejeitos da Vale na Mina Córrego do Feijão, pedir a punição dos responsáveis e a defesa dos direitos das vítimas, apoiar e propor medidas que evitem novos desastres e tragédias e dar visibilidade aos impactos da mineração nas comunidades. De acordo com a ambientalista Maria Teresa Corujo, em entrevista ao Bom Dia Minas, uma função do gabinete é trazer a população para o debate:

“Vamos acompanhar as medidas e as não medidas. Esse gabinete de crise é para trazer uma visibilidade e para população acompanhar a situação em Brumadinho, ” destacou.

Outras questões abordadas serão o papel da empresa e dos diversos atores após a tragédia e a perspectiva quanto à segurança hídrica de Belo Horizonte e Região Metropolitana e ao futuro diante da possibilidade de novos desastres relacionados à ruptura de barragens de rejeitos da mineração.

O principal instrumento do gabinete será uma plataforma digital que já está disponível. Ela será alimentada com informações, críticas e propostas para que haja democratização no acesso pela população e, assim, haja o permanente controle, pressão social e mobilização. Pretende também trazer opiniões diversas da sociedade, divulgar agenda dos movimentos e buscar a transparência de todos os fatos.

Brumadinho pós-desastre — Foto: GloboNews
Brumadinho pós-desastre — Foto: GloboNews

Fonte: G1

https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/02/14/brumadinho-ongs-criam-gabinete-de-crise.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »